Supera Mais vai dar apoio à retomada das empresas que ficaram fechados na pandemia

“Essa iniciativa chegou na hora certa, vai ser o oxigênio que a gente precisava para manter os empregos e nos dar a possibilidade de um crescimento saudável”, disse Giovane Vargas, um dos proprietários da academia Fisiomaster. O estabelecimento e mais duas empresas da cidade foram os primeiros a celebrar o contrato de empréstimos do Niterói Super Mais nesta quinta-feira (23), no lançamento oficial do novo programa de empréstimos da prefeitura para capital de giro das empresas. Serão emprestados recursos do Poder Público municipal a empresas de Niterói com faturamento de até R$ 1 milhão ao ano. O programa deve conceder cerca de R$ 30 milhões em crédito, podendo alcançar até mil empresas da cidade.

O evento aconteceu no Solar do Jambeiro, no Ingá, com a presença da Secretária de Fazenda, Giovanna Victer, que desenvolveu o plano, e do presidente da AgeRio, Alexandre Rodrigues. O prefeito Rodrigo Neves não participou da solenidade por suspeita de ter sido infectado com o Covid-19 – ele ainda aguarda exames.

O programa Supera Mais é uma evolução do Supera Niterói, programa que foi lançado em abril, mas que não teve a saída de crédito planejada. Ainda vigente, emprestou até o momento R$ 18 milhões a 220 empresas através do Banco do Brasil. Agora, por meio de parceria com a Agência Estadual de Fomento do Rio de Janeiro (AgeRio), o empréstimo não vai mais depender de bancos.

– Em abril percebemos que as empresas teriam muita dificuldade de garantir a sua saúde financeira durante um período de isolamento social tão longo como o da pandemia. Nós sabemos que precisamos atingir mais empresas, as pequenas, que têm muita dificuldade de conseguir financiamento para o capital de giro – explicou a secretária Giovanna Victer.

Para participar, a empresa precisa ter registro de funcionamento em Niterói e um faturamento de até R$ 1 milhão. Neste primeiro momento, serão atingidas as empresas que já estavam cadastradas no Niterói Supera, com prioridade de análise de crédito para os empreendimentos que passaram mais tempo fechados ou que ainda estão impedidos de funcionar.

Só na última quarta-feira (22), a Secretaria de Fazenda encaminhou e-mails às 662 empresas cadastradas que estão inseridas neste nicho de prioridade para que elas iniciem o processo de documentação. Entre elas, estão agências de viagens e operadores de turismo, escolas de música, dança ou esportes, casa de eventos, serviço de alimentação e buffet, além de bares, restaurantes e academias.

Após o envio da documentação, a secretaria analisa e encaminha a AgeRio para a concessão do crédito. Os limites para financiamento de Capital de Giro são de até R$ 20 mil para profissionais autônomos e liberais; até R$ 50 mil para microempresas; e até R$ 80 mil para empresas de pequeno porte. A carência é de 10 meses para o pagamento, com possibilidade de parcelamento em 36 meses, sem juros.

De acordo com Victer, diariamente, as empresas que tiverem a documentação encaminhada à AgeRio será informada via publicação no site da Secretaria de Fazenda, assim como as que tiverem problemas na documentação. Mas os contratos serão finalizados apenas quando as empresas concluírem um curso on-line e gratuito, em parceria com o Sebrae, sobre como aplicar os recursos para que os negócios tenham sustentabilidade.

– Sabemos que as empresas estão num momento muito difícil do ponto de vista de gestão financeira. Para liberação dos recurso, vamos oferecer um curso curto de 3 horas sobre como como aplicar os recursos, para ter sustentabilidade e em 10 meses conseguir pagar o empréstimo – explicou Victer.

Alexandre Rodrigues, presidente da AgeRio, informou que o planejamento da agência para este ano era de financiar R$ 200 milhões em empréstimos. Mas, com a pandemia, eles receberam, em pouco tempo, 2 milhões de pedidos, o que esgotou os recursos rapidamente. Agora, com os R$ 30 milhões investidos por Niterói, eles querem fazer o dinheiro girar.

– O pequeno empresário tem dificuldade de acesso a crédito. Essa ação da prefeitura vai nos ajudar a distribuir empréstimos para os empresários de Niterói, mas esse recurso tem que ter um pagamento regular. Com isso, vamos ter oportunidade de liberar recursos para outras empresas e assim vamos fazer a economia girar – enfatizou.

Representando os comerciantes, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas, Luiz Vieira, ressaltou que o Supera Mais é a grande expectativa do empresariado da cidade.

– Já retomamos as atividades mas não conseguimos retomar o nível de receita que tínhamos antes da pandemia. As vendas ainda estão incipientes. A orientação sobre o que investir com o empréstimo também é importante neste período – lembrou.

O evento foi encerrado com a assinatura dos primeiros contratos de empréstimo entre a Prefeitura e a AgeRio com as empresas Fisiomaster, Smille Produções Artísticas e o restaurante Sabores.