Existe uma opinião generalizada no mercado imobiliário no sentido de que o pior já ficou para trás. Sinal evidente aparece no crescimento de 44% no crédito imobiliário de janeiro/agosto de 2020, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Portanto, chegou a hora de comprar a casa própria ou de investir em imóveis para locação, aproveitando as oportunidades do momento.

Não é difícil constatar que o preço de venda de um imóvel padrão residencial (pronto), nos bairros de Jacarepaguá/Recreio dos Bandeirantes-Rio de Janeiro/RJ, em relação ao ano de 2015, teve uma queda da ordem de 20% a 30%.

No tocante ao financiamento imobiliário, em razão da taxa básica de juros (Selic), como é notório, ser a menor da história (2% a.a.), hoje se encontra a taxa balcão de 6.99% a.a., com propalada redução para 6.25% a.a., para financiamento de 35 anos.

Ademais, para incentivar a aquisição de imóveis em lançamento, além da taxa de juros reduzida, algumas incorporadoras, em determinados empreendimentos, estão parcelando a entrada em três veze e oferecendo benefícios, tais como condomínio e IPTU grátis, por seis meses.

O momento, portanto, é favorável ao comprador, só se admitindo a venda para aquisição de outro imóvel (compra) ou por algum interesse particular.
A inflação pelo IPCA (projetada para 2020) é de 1,63% a.a., conforme Boletim Focus do Banco Central.

Por outro lado, os fundos de renda fixa, em geral, estão perdendo para a inflação, por conta da taxa de administração ajustada, como afirmado na mídia por especialistas (além da incidência de IR sobre o ganho).

Mesmo a tradicional e prestigiada poupança (na qual não há cobrança de taxa de administração e nem incidência de IR), apresenta resultado desanimador, pois rende 70% da Selic, ou seja, apresenta uma renda projetada anual de 1,40% a.a., que, descontada a referida inflação, aponta para uma perda de 0,23% a.a.

Todavia, é possível ter ganho, aportando capital em imóvel para locação.
Consultando diversas amostras (aptos de sala/qto, sala/2qts e sala/3qts), nos bairros de Jacarepaguá/Barra da Tijuca-Rio de Janeiro/RJ, se constata rentabilidade não inferior a 0,27% a.m.

Ao tomar, para fim de exemplo, um imóvel de sala/qto na Barra da Tijuca, com aluguel mensal de R$1.900,00 e preço de venda de R$ 680.000,00, o mesmo apresenta de rentabilidade os tais 0,27%a.m, totalizando 3,24% a.a., que descontada a inflação de 1,63% a.a., aponta para um ganho de 1,61% a.a., se considerada isenção de IR e ausência de taxa de administração.

Para o locador, além do recebimento do aluguel mensal, sempre de se destacar que existe a valorização do imóvel.

Enfim, trata-se de um bom investimento para os locadores, com segurança e rentabilidade, como o momento atípico requer, e, estando os aluguéis baixos (em razão da elevada oferta), também se trata de um bom momento para os inquilinos escolherem as melhores oportunidades, de acordo com seus perfis financeiros.

 

Fonte: Conexão com o Corretor – Fábio Fernandes Peixoto

Clique aqui para imprimir